Sábado, 10 de Abril de 2010

Recordações – II parte

Nesta II parte, proponho-me reviver a infância que vivi no Quitexe, até aos meus 10 anos. Se não toda a infância, alguns dos episódios que mostram como era diferente a vivência de um menino do mato, criado à solta entre a natureza e as gentes.
Estava longe de ser um menino modelo, mas fui muito feliz, muito livre…
 
Apelo a que todos os que visitam este blog e que passaram pelo Quitexe que escrevam as suas vivências ou o seu sentir de adultos. Será uma mais valia, não para a história da humanidade, mas para os que nos são próximos e para que se entenda melhor do que falamos quando falamos de África.
 
 
CAÇADA AO PORCO
 
Desde sempre me recordo de me levantar bastante cedo para as brincadeiras num Quitexe em crescimento. Com sete anos o meu pai deu-me uma espingarda de pressão de ar com que eu andava sempre aos tiros à passarada. Era mais o chumbo que eu espalhava do que os pássaros caçados.
 
 
Com 8 ou 9 anos, o António Figueiredo Antunes (filho da D. Alice e do Sr. Antunes do talho), era o meu companheiro de brincadeiras e aventuras, quer pela proximidade de idades, quer porque durante algum tempo eles viveram nos anexos de casa dos meus pais, onde também funcionou o talho.
E foi quando eles ainda viviam nos nossos anexos que empreendemos outra das nossas aventuras.
Como víamos que os adultos volta e meia saíam para a caça, resolvemos armar-nos em grandes caçadores e combinámos uma caçada.
O Antunes iria “roubar” uma espingarda do pai (uma flauber de catuchos de 12 ou 14 milímetros, não me lembro bem) e eu iria “roubar “ a pistola 6,35 mm do meu pai.
À noite, antes dos meus pais se irem deitar, fui ao quarto deles, tirei a pistola e escondi-a numa caixa de sapatos. Levei-a para o meu quarto sem que ninguém desse conta do sucedido.
Era ainda de madrugada (como de costume, eu levantava-me de madrugada, ou para “aprontar” ou para fazer os famosos TPC) e lá nos encontrámos os dois ao portão da minha casa. Lá vamos nós confiantes que a caçada seria boa, como sempre era nas terras fartas de Angola.
Saímos pelas traseiras de minha casa em direcção a um bananal que havia ao fundo dos anexos, entre a casa dos meus pais e o morro da igreja. Foi aí que encontrámos uns pastores do gado do Sr. Antunes (que se aqueciam junto de uma fogueira) e ficámos com eles à conversa. É claro que não se sentiam nada à vontade de ver dois miúdos armados ali àquela hora (ainda era escuro).
Nisto surge por ali um leitão e o amigo Antunes nem pensou duas vezes e vai de chumbo em cima do bicho que fugiu a grunhir por ali fora. Eu nem sequer tive tempo de disparar, que frustração!
Sem que nós déssemos conta, o pastor mandou avisar os nossos pais. Passados uns instantes aparece de novo o tal leitão e o Antunes fez novo tiro para o bicho que uma vez mais se recusou a morrer ali e fugiu a bom fugir.
Como começava a clarear resolvemos regressar a casa, pois o pessoal levantava-se com o nascer do sol e nós não queríamos ser agarrados. Pensávamos continuar as nossas caçadas noutros dias, se aquele nos corresse bem.
Quando nos aproximávamos de minha casa, ….. Oh desgraça! Tínhamos uma comissão de recepção à nossa espera. Os meus pais, os pais do Antunes e a dona do leitão que era uma vizinha nossa, não me recordo o nome, mas vivia na casa do sr. Ricardo Gaspar, próximo da casa do tio Celestino.
É que entretanto o dito leitão que se tinha recusado a morrer no mato, foi morrer ao curral que lhe pertencia.
É claro que fomos imediatamente desarmados e brindados com uma surra tremenda.
Eu da minha parte fiquei bastante aborrecido, pois além de desarmado e humilhado, não dei nenhum tiro, mas serviu-me de emenda. Pelo menos nunca mais tirei a pistola do meu pai… até chegarmos a Luanda. Mas essa foi outra história ……
publicado por Quimbanze às 09:06

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
31

.posts recentes

. António Manuel Guerra 20/...

. António Guerra - 15 de Ma...

. Histórias e recordações d...

. Histórias e recordações d...

. As fotografias da minha i...

. As fotografias da minha i...

. As fotografias da minha i...

. Recordações – II parte

. Histórias e recordações d...

. A professora faz "milagre...

. Histórias da minha menini...

. Histórias da minha menini...

. Histórias da minha menini...

. Histórias da minha menini...

. Histórias da minha menini...

.arquivos

. Outubro 2010

. Abril 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds